POR

/

ENG

Revistas

A Terapia atravs dos sons

Pouco conhecida no Brasil, a profisso do musicoterapeuta desenvolve trabalhos clnicos utilizando um elemento incomum na medicina tradicional: a msica

A msica est sempre presente na vida das pessoas. Afinal, quem no se identifica ou j se identificou com uma msica que acabou marcando poca? Aquelas frias inesquecveis, as aventuras da juventude, o nascimento de um filho, o comeo ou o fim de um namoro... A msica funciona como um verdadeiro marcador temporal na vida do ser humano. E foi atravs dela que estudiosos foram muito alm da cincia dos sons e criaram a musicoterapia. No mtodo, a msica ou elementos que a compe como ritmo, melodia e harmonia so utilizados para promover a sade de pessoas, nos campos fsico, mental, emocional e psquico.

E no de hoje que a msica utilizada de forma teraputica por muitos grupos humanos. A musicoterapia surgiu na Europa, por volta dos anos 1940, quando alguns msicos iam aos leitos dos hospitais para alegrar os enfermos da Segunda Guerra Mundial. Esse um gesto de solidariedade que est presente at hoje em instituies mdicas, conferindo melhor qualidade de vida aos doentes. Mas foi a partir dele e dos resultados positivos que ele proporcionava que se desenvolveu um processo real de cura atravs da msica. A partir dos anos 1950, nos Estados Unidos, a musicoterapia virou cincia e se difundiu mundo afora. A terapia dos sons chegou ao Brasil s na dcada de 1970, a partir da influncia de profissionais da Argentina. As primeiras formaes de musicoterapia no pas apareceram no Paran e no Rio de Janeiro. Hoje, existem 13 cursos espalhados pelo Brasil, divididos em graduao e especializao, e estima-se que existam cerca de 4 a 5 mil profissionais da rea.

Com grande potencial para crescer, a profisso no muito conhecida. E, muitas vezes, cercada por alguns mitos. primeira vista, o pblico tem dificuldade em compreender sobre o que faz um musicoterapeuta. Carmen Vasconcelos, que uma das pioneiras no Estado, esclarece alguns desses mistrios. Qualquer pessoa pode usar a msica associada a seu trabalho. Mas o musicoterapeuta um profissional preparado para utilizar a msica como instrumento para fins teraputicos, com processos, tcnicas, como toda e qualquer outra formao, explica. muito comum as pessoas acharem que basta unir a msica e fazer terapia. Mas existe um conhecimento mais especfico, que faz parte do trabalho, acrescenta a terapeuta.

Para atuar, o musicoterapeuta precisa ter um conhecimento geral de msica, por menor que seja. Deve saber manusear alguns instrumentos musicais para proceder s tcnicas prprias da profisso. Quanto a isso, Carmen tambm faz uma ressalva. O musicoterapeuta no vai ensinar ningum a tocar nada. Algumas pessoas tambm pensam que o trabalho se restringe ao profissional colocar uma msica ou tocar algo para o paciente relaxar. Isso at pode acontecer. Mas existe toda uma escuta clinica, uma relao de terapia mesmo para procurar o que est por detrs das aparncias diz Carmen.

O COTIDIANO DA MUSICOTERAPIA

Uma sala de musicoterapia pode lembrar muito um local de ensaio de uma banda. Com violo, teclado, instrumentos de sopro e percusso, entre outros, o ambiente devidamente equipado para desenvolver as atividades musicoterpicas. Ali, o terapeuta investiga a identidade sonora do paciente e, atravs de intervenes, estmulos sonoros e improvisaes, vai buscar a melhor soluo para o objetivo clnico do paciente. E no h limites de idade ou grau de enfermidade para fazer um tratamento. A musicoterapia eficaz no s em casos de psicose infantil, autismo, Alzheimer e Parkinson, como tambm em casos de estresse e depresso. A musicoterapia atende a qualquer pessoa, desde o beb dentro da barriga da me, passando pelo acompanhamento da gestante ao parto, at o idoso e at na hora da morte. Existe o trabalho em UTIs, com pacientes terminais, em coma, auxlio de exames e muito mais, diz Carmen.

O Centro de Atividades de Musicoterapia (CAMT), atualmente localizado na ONG Tempo de Crescer, no bairro do Derby, no Recife, existe desde 2000. L, trabalham as musicoterapeutas Luciana Frias, Eliane Teles e Carla Cristine Bezerra, juntamente com Carmen Vasconcelos, que coordena o grupo. Com perfis singulares, as profissionais executam tambm trabalhos diferenciados em instituies da capital pernambucana. Alm disso, realizam grupos de estudo e lutam pela divulgao da musicoterapia no Nordeste, realizando oficinas, cursos e eventos.

Carmen j atua h 17 anos na rea. Presidente da Associao de Musicoterapia do Nordeste (AMTNE) e coordenadora do curso de ps-graduao em musicoterapia na Faculdade de Cincias Humanas de Olinda (Facho), j trabalhou com crianas e adolescentes no Centro de Apoio Psicossocial (CAPs) da Prefeitura do Recife, o que lhe rendeu grande experincia na rea de sade mental infantil. Minha prtica mais extensa com pacientes com autismo, psicose infantil ou qualquer coisa associada, como uma sndrome, deficincias sensoriais, motoras ou mentais. Tambm trabalho com pacientes com Alzheimer e outras patologias neurolgicas, afirma.

Luciana Frias, formada em msica, e Eliane Teles, psicloga, desenvolvem a musicoterapia em duas grandes instituies mdicas da cidade. Luciana trabalha no Centro de Reabilitao Motora do Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (IMIP). L, atendemos desde bebs, crianas com problemas neurolgicos, at adultos e idosos com sequelas de acidentes, violncia e AVC (Acidente Vascular Cerebral). Temos uma grande demanda desse tipo de paciente, e, sem dvidas, o trabalho com a arte, principalmente com a msica, estimula resultados positivos, afirma. Enquanto isso, Eliane leva a musicoterapia para a Fundao Altino Ventura. Trabalhando com crianas e adolescentes cegos e com mltiplas deficincias, a terapeuta tambm tem conseguido bons resultados. O crebro, entre a dor e o prazer, escolhe o prazer. Ento, atravs do acompanhamento sonoro, possvel conseguir muitos avanos, diz Eliane.

J Carla Cristine faz um trabalho um pouco diferente. Formada em medicina, Carla utiliza a musicoterapia em acompanhamentos cirrgicos. A gente prepara uma lista de msicas, que oferecem um suporte emocional ao paciente, alm de ajudar a regular a presso arterial, o padro respiratrio e algumas taxas, diz. Segundo a mdica, a musicoterapia tem sido eficaz em muitos procedimentos. Certa vez, acompanhei um senhor hemoflico, que estava sendo cirurgiado pela terceira vez. Aps a operao, o senhor acabou recebendo menor quantidade de analgsicos que das vezes anteriores, afirma Carla.

Com uma vasta coleo de casos bem solucionados, as musicoterapeutas relembram, satisfeitas, pacientes que as marcaram. Crianas com autismo e com paralisia cerebral que passaram a se comunicar melhor e a responderem a estmulos, pacientes com Alzheimer e com sequelas de AVC que passaram a resgatar memrias e movimentos... Casos que muitas vezes pareceriam sem soluo e terminaram com um final feliz. Isso no nenhum milagre. uma capacidade que a msica tem mesmo. s vezes a gente acha que t no impossvel. Mas a msica resgata tudo isso. E, nessa condio, nosso trabalho ajudar que essas pessoas voltem realidade delas, conclui Carmen.

SERVIO

Centro de Atividades de Musicoterapia (CAMT)
Rua Jornalista Paulo Bittencourt, 147
Derby, Recife PE
(81) 8112-5698

PRXIMOS CONCERTOS

27/04/2017

Concerto didtico com o Quarteto Groovy

02/05/2017

Ncleo Popular da OCC

03/06/2017

2 Concerto Oficial da Temporada 2017

Clique aqui e baixe a Cartilha Lei Rouanet

outras matrias desta edio



Apoio

Patrocnio

Patrocnio Master

Realizao

Acompanhe-nos nas Redes Sociais

/criancacidada

Contato

Contato para Eventos

Gabryella Boudoux

Fones: 81 3428.7600/81 9 9403.7296

E-mail: eventosocc@gmail.com

Assessoria de Imprensa

Carlos Eduardo Amaral

Fones: 81 3428.7600 | 81 9 8831-9700

E-mail: audicoes@gmail.com

Onde h msica no pode haver maldade
Miguel de Cervantes

Zaite Tecnologia, Empresa desenvolvedora do site.