POR

/

ENG

Revistas

Um novo olhar sobre o Coque

Comunidade que d nome Orquestra Criana Cidad entra numa nova fase, menos marcada pela violncia e mais sinnimo de esperana

H cinco anos, algo de diferente aconteceu no Coque, Zona Especial de Interesse Social (Zeis) localizada entre os bairros de Boa Viagem e Ilha do Leite. A violncia deixou de ser caracterstica intrnseca do lugar. Falar do Coque hoje lembrar-se da Orquestra Criana Cidad, formada por talentos musicais da comunidade. Coque sinnimo de possibilidades, e so esses meninos que comeam a quebrar o crculo vicioso da infncia e juventude corrompidas.

No final do ano de 1960, o Coque era associado pela mdia imagem do Galeguinho, o jovem Jos Everaldo Belo da Silva, que cometia atos ilegais desde os 16 anos e era um dos criminosos mais procurados pela polcia pernambucana. Esse caso foi o estopim para os meios de comunicao espetacularizarem a violncia que acontecia na rea, estigmatizando os moradores.

Galeguinho foi preso e assassinado, mas os seus seguidores permaneceram controlando a rea. Em meados de 2006, surgia um projeto social para atender s crianas do Coque, resgatando a cidadania de meninos e meninas que viviam em situao de risco, alm de poup-los do mundo das drogas e violncia. "A Orquestra Criana Cidad muito importante para os jovens da nossa comunidade. Ajudou muitas crianas e adolescentes a trabalharem a cabea e visarem um futuro melhor. Mente vazia ocupao do inimigo, mas, com incentivo e oportunidade, vira uma mente cheia de expectativas", conta a vendedora da comunidade Fabiane Arajo.

Liderada pelo desembargador Nildo Nery, o juiz Joo Targino e pelo falecido maestro Cussy de Almeida hoje substitudo por Lanfranco Marcelletti Jr. a Orquestra Criana Cidad nasceu com o objetivo de incluir crianas carentes do Coque na sociedade atravs da msica, impedindo-as de ingressarem no caminho do crime. Outras consequncias positivas tambm acompanharam o lugar aps o projeto, como uma nova visibilidade para os moradores. Eu acredito que a imagem que se tem l fora da favela do Coque mudou um pouco tambm. Hoje em dia, as pessoas associam a comunidade aos Meninos do Coque. Isso muito bom para todos ns, diz a residente Dinalva Ferreira da Silva.

A construo de uma nova visibilidade para o Coque uma mudana conquistada em parceria com outros projetos sociais. H 25 anos, surgia o Ncleo Educacional Irmos Menores de Francisco de Assis (Neimfa) na comunidade, com o objetivo de formar cidados e incentivar os moradores a produzirem valores para si mesmos e acerca do contexto em que vivem. O Neimfa, que se divide nos ncleos de Comunicao e Articulao Comunitria, Direitos Humanos e Cultura de Paz, Gnero e Sade, Arte e Cultura e Educao e Cidadania, tambm combate a difuso do estigma da violncia na comunidade e fora dela. Se voc entrasse na internet h cinco anos e pesquisasse sobre o Coque, encontraria notcias relacionadas violncia. Hoje, os problemas permanecem, mas, se fizer uma busca sobre o lugar no Google, as primeiras matrias que aparecem esto ligadas aos projetos sociais desenvolvidos aqui, afirma um dos representantes do Neimfa, Alexandre Freitas.

Nos impressos, na televiso e rdios, a sociedade v, agora, os dois lados do Coque. Na comunidade ainda existem roubos, trfico de drogas e violncia, mas no com a mesma intensidade que acontecia na poca do Galeguinho. A iniciativa incentivou crianas e jovens a largarem a ociosidade e estudarem para se tornaram profissionais na msica. Mesmo aqueles que seguiram outros rumos diferentes j esto longe de se contagiarem com a violncia. O projeto causa um impacto positivo no Coque de maneira que ele cria possibilidades para que as crianas que nascem agora tenham um referencial diferente da violncia na comunidade. Agora, elas dizem: Eu posso crescer e nascer de outra forma aqui dentro!, conta o diretor do Neimfa, Sidney Carlos Rocha.

Tanto o Neimfa como a Orquestra, entre outras mobilizaes sociais, contribuem para a queda de um ciclo de crimes e drogas que atormentava os moradores, mas sempre levando em conta as potencialidades da comunidade. Segundo a conselheira tutelar da RPA1, que tambm atende o Coque, Denise Farias, o nmero de casos de violao dos direitos das crianas e adolescentes teve uma reduo significativa, principalmente para o grupo de jovens que participa do projeto. Desde o incio da Orquestra, apenas 0,1% desses meninos foram encaminhados ao Conselho. Isso trouxe uma grande tranquilidade para as famlias, destaca a conselheira.

O coordenador do Grupo Cultural Menino do Coque e av de uma das integrantes da Orquestra, Ronaldo Francisco dos Passos, j percebe as intervenes que o programa trouxe para a comunidade. O projeto viabiliza a vida dos garotos. Antes, eles tinham que esperar para ser atendidos nos hospitais pblicos, j que as mes no tinham como pagar plano de sade. Hoje, eles esto se cuidando com mdicos da Unimed, graas Orquestra, conta Ronaldo.

Alm dos planos de sade e odontolgico, o projeto fornece cestas bsicas mensalmente para a famlia de cada criana. Ningum estuda com fome preciso estar bem nutrido para aguentar uma rotina de estudos e apresentao de concertos intensa. A Orquestra sempre est excursionando para outros estados e regies. At para fora do Brasil alguns integrantes j viajaram. Esses garotos esto levando o nome do Coque para Pernambuco, Brasil e pro mundo. Eles esto quebrando o preconceito que existia com a comunidade, ressalta Sebastio Andrade, do Centro Comunitrio da Igreja So Francisco.

Como o Coque se tornou sinnimo de violncia?

Jos Everaldo Belo da Silva, o famoso Galeguinho do Coque, nasceu na Zona da Mata Sul. No entanto, passou quatro anos de sua vida refugiado da polcia na comunidade do Coque, devido prtica de inmeros furtos. O jovem contribuiu para a fama de que os moradores protegiam criminosos, tornando-se o caso mais desafiador para a polcia no s do Recife como de todo o Nordeste.

Antes mesmo de Galeguinho, no final do sculo XIX ao XX a rea comeou a ser ocupada j carregando as marcas da violncia e da desordem. Nessa poca, os senhores de engenho contratavam capangas para garantir a segurana da exportao agrria, levando cargas dos interiores at o Porto do Recife. Quando o setor aucareiro definhou, esses homens passaram a ocupar uma rea do bairro de So Jos at o Coque, onde eles frequentavam prostbulos durante o transporte das encomendas.

O Coque j nascia numa rea carente e de risco, que, aos poucos, foi esquecida pelas autoridades e lembrada frequentemente nas pginas de polcia dos jornais. E foi a figura de Galeguinho que fez despontar esse esteretipo de comunidade violenta na mdia, ou melhor, a imprensa aproveitou esse personagem para vender essa imagem, o que gerou consequncias negativas para o Coque.

O destino de Galeguinho terminou como muitos outros jovens que se envolvem com a criminalidade: priso e assassinato. Mas deixou como herana grupos de influncia no Coque, que controlam a rea.

PRXIMOS CONCERTOS

11/07/2017

Orquestra Criana Cidad dos Meninos do Ipojuca na Caixa Cultural Recife

19/07/2017

Orquestra Infantojuvenil Criana Cidad na Caixa Cultural Recife

Clique aqui e baixe a Cartilha Lei Rouanet

outras matrias desta edio



Apoio

Patrocnio

Patrocnio Master

Realizao

Acompanhe-nos nas Redes Sociais

/criancacidada

Contato

Contato para Eventos

Gabryella Boudoux

Fones: 81 3428.7600/81 9 9403.7296

E-mail: eventosocc@gmail.com

Assessoria de Imprensa

Carlos Eduardo Amaral

Fones: 81 3428.7600 | 81 9 8831-9700

E-mail: audicoes@gmail.com

Onde h msica no pode haver maldade
Miguel de Cervantes

Zaite Tecnologia, Empresa desenvolvedora do site.