POR

/

ENG

Revistas

Rdios Comunitrias - A voz do povo

Organizaes sem fins lucrativos garantem a democratizao da notcia atravs de rdios comunitrias. ONGs tambm prestam o servio e disseminam educao e cidadania nos bairro onde atuam

Uma caixinha de som no alto de um poste e uma ideia na cabea essas so as ferramentas que as rdios comunitrias usam para garantir os direitos humanos nas comunidades. Atravs de programas educativos e de apurao de notcias de interesse comum, elas levam informao, educam e promovem uma comunicao mais democrtica.

As equipes de trabalho desses veculos so compostas por voluntrios que promovem iniciativas de desenvolvimento local. A informao, geralmente, coletada atravs de meios de comunicao como TV, jornal impresso e, at mesmo, de outras rdios. Alm disso, as emissoras contam com a colaborao de moradores, que participam divulgando eventos ou fornecendo suporte ao projeto.

A resposta das rdios comunitrias to positiva que, em comunidades carentes do Recife, algumas ONGs fazem uso desse meio como uma forma de ter mais voz junto aos bairros que atendem. Essas instituies, portanto, conseguem mais efeito em seus projetos, uma vez que contam com a ajuda de meios como as emissoras de rdios.

No entanto, a realidade das rdios comunitrias representa outra face do panorama de comunicao nacional, em que as concesses tm acesso limitado e so mantidas com dificuldades. As verbas para sustentar as emissoras vm quase que exclusivamente de entidades sem fins lucrativos. Tambm faltam meios de se divulgar, para as pessoas, a existncia de rdios locais.

De acordo com o jornalista, socilogo e professor da Universidade de So Paulo (USP), Laurindo Leal, a convergncia de mdias facilita a chegada da informao ao pblico. Segundo ele, algumas organizaes at se utilizam dessas ferramentas, mas outras funcionam com medidas paliativas. Hoje, algumas instituies j tm seu sinal de rdio, jornais e revistas. Outras agem dentro daquilo que lhes possvel, fazendo uso de um sistema improvisado de caixinhas de som espalhadas pelos postes das comunidades para, assim, transmitirem suas programaes, afirma.

Mas essa simplicidade de operao do rdio tem um lado positivo. As notcias chegam rapidamente populao, o que garante resposta imediata do ouvinte. Esses foram os pontos que fizeram com que algumas entidades assistenciais escolhessem o radialismo comunitrio como maneira de garantir os direitos sociais nas comunidades. Entre as instituies recifenses, destacam-se a ONG Alto Falante, no Alto Jos do Pinho, e o Ncleo de Comunicao do Programa Bombando Cidadania, uma parceria entre comunidade da Bomba do Hemetrio, Instituto Walmart e o Instituto de Assessoria para o Desenvolvimento Humano (IADH).

ALTO FALANTE DEMOCRATIZANDO A COMUNICAO

A rdio Alto Falante est no ar h quase nove anos. Gerida pelos integrantes das bandas Devotos, Matalanamo, B.U. e Nanica Papaia, a emissora tem, como objetivo, receber e transmitir informao aos moradores da comunidade do Alto Jos do Pinho, fazendo uma seleo de notcias de interesse pblico e dando prioridade aos acontecimentos regionais.

O projeto sonoro foi montado no Box 7 do mercado pblico local. Os radialistas voluntrios veiculam as notcias atravs de um sistema de caixinhas de som espalhadas pelas ruas do Alto Jos do Pinho e mantm a comunidade informada sobre a realidade poltica, social e econmica do bairro e comunidades vizinhas.

O diretor de programao da Alto falante, jornalista Tarcsio Camlo, explica que a rdio promove os direitos humanos na comunidade, dando voz ativa ao povo atravs da programao. O programa Escola Jovem uma parceria da ONG com escolas do bairro; j o Jornal Cultural resgata a identidade cultural do Estado de Pernambuco e divulga os eventos da comunidade, exemplifica Tarcsio. A rdio tambm abre espao para discutir poltica, em poca de eleio. O Politicando, promove um debate sobre poltica entre a rdio e a comunidade. Nesse programa, qualquer pessoa pode chegar l e expor sua opinio, explica.

Segundo Camlo, a criao da rdio comunitria mudou a autoestima dos moradores. Antes, a comunidade era vista de forma muito negativa pela sociedade; hoje, h uma valorizao maior da diversidade cultural do lugar, diz. A ONG Alto Falante j realizou dois festivais no Alto Jos do Pinho. Um deles resultou em um CD, que foi uma coletnea de todas as bandas que participaram do evento. O segundo foi o Direitos e Direitos Todo mundo tem direito cidadania.

Novos projetos da rdio Alto Falante no param de surgir. Em 2012, a rdio vai fazer dez anos e pretende adicionar novos programas em sua grade. A ideia propor temas diversificados, como legislao, meio ambiente e temtica sobre direitos humanos. Ainda mais ousado, o prximo passo a ser dado pela ONG a criao de uma TV de rua no bairro. Inspirada na TV Viva, ela pretende ir s comunidades e exibir a programao em praa pblica. O Alto Jos do Pinho vai ter a TV Alto Falante, que vai ampliar a demanda da ONG. Isso vai garantir a representatividade do bairro em outros espaos, conta Tarcsio.

DA COMUNIDADE PARA A COMUNIDADE

A Bomba do Hemetrio fica na Zona Norte do Recife. Com cerca de 8 mil habitantes, a comunidade, que antes era conhecida pela violncia, vem mudando sua face: hoje, espalha cultura pelos quatro ventos. O programa de desenvolvimento local Bombando Cidadania foi criado em 2008, em parceria tcnica com o Instituto de Assessoria para o Desenvolvimento Humano (IADH) e o Instituto Walmart. As aes focadas nos cinco eixos de atuao Trabalho e Renda, Sade e Meio Ambiente, Educao, Juventude e Arte e Cultura demonstram a fora da comunicao feita no bairro.

O mais novo projeto do Ncleo de Comunicao Bombando Cidadania a criao da primeira rdio comunitria de caixinha da Bomba do Hemetrio. Segundo a coordenadora do Ncleo, Patrcia Paixo, o projeto j realiza aes de cidadania e comunicao comunitria h trs anos. Acreditamos que a comunicao um direito, e muitos veculos no se preocupam com essa realidade local. Foi a necessidade de mudar o cenrio, de promover e garantir o cumprimento dos direitos humanos que motivou toda nossa equipe a participar desse processo, afirma a coordenadora.

A rdio Seu Hemetrio est em fase inicial, mas a proposta educativa j tem o propsito definido e vem mudando, aos poucos, o comportamento na comunidade. Algumas pessoas ouviam msicas que feriam os direitos das mulheres, das crianas e que incentivavam a discriminao. Essas pessoas, at sem querer, achavam engraado. Algumas achavam ruim, mas no faziam nada para mudar. Infelizmente, no a maioria, mas alguns moradores, que escutam ou fazem parte da rdio, no permitem que essas msicas toquem nas programaes. Para ns, isso j uma conquista, diz Patrcia.

A jornalista e professora de comunicao social Andria Trigueiro consultora do contedo da rdio Seu Hemetrio e orienta os projetos e programas que dizem respeito comunicao. Andria traz, para o Bombando Cidadania, todas as diretrizes que o mercado de comunicao exige para que os profissionais estejam inseridos, levando em considerao os aspectos e as demandas de uma rdio comunitria. Ns treinamos as pessoas para locuo, para produo de programas... Ainda estamos fazendo o acompanhamento da elaborao dos blockeds. Temos cinco programas no ar, e continuamos elaborando outros programas para serem veiculados, explica a jornalista.

Os moradores da Bomba do Hemetrio tambm participam das aes do Ncleo, de forma organizada, atravs do Comit de Apoio Bombando Cidadania. Rivaldo Ferreira um dos componentes do comit e explica que o papel do grupo de moradores engajado com o Ncleo monitorar e avaliar todos os programas de projetos realizados pela entidade. Apesar de a rdio ser o projeto caula do Ncleo, ela est sendo bem aceita. Alguns moradores j chegam aqui para deixar recados e prestar utilidade pblica, diz.

Embora o projeto esteja iniciando a todo o vapor, a rdio est enfrentando problemas com o choque entre culturas. Parte da populao da Bomba ainda est ligada s msicas que banalizam os direitos humanos, com temticas discriminatrias. A seleo musical ainda no est agradando a todos. Estamos tentando mostrar, para a comunidade, que existem outros tipos de msica, que no agridem os direitos das pessoas, alega Rivaldo.


DILMA FLIX FAZ O DIA BOMBAR
A locutora de primeira viagem Dilma Flix apresenta um programa de notcias todas as manhs na rdio Seu Hemetrio. O programa Bombando o Dia traz dicas de meio ambiente, educao e sade, alm de divulgar a programao cultural da cidade do Recife e da comunidade em que ela vive.

Um dos quadros do programa de Dilma o Recado Comunidade. De acordo com a locutora, nesse momento do programa os moradores reclamam de algum problema da comunidade, deixam sugestes e tiram dvidas sobre diversos temas. O fato de estar estreando no rdio no parece intimidar Dilma Flix nem um pouco. Ela fala com propriedade para os moradores da Bomba do Hemetrio durante uma hora de programa. a primeira vez que trabalho com rdio, nunca me vi como comunicadora. Hoje, o intuito chegar o mais longe que eu puder, explica a locutora.

Para Dilma, essa uma experincia nica. importante saber que eu posso fazer alguma coisa pela comunidade atravs da informao. bom ver que as pessoas entendem aquilo que eu quero passar e que minha voz vai longe.

Entrevista

CRIANA TEM VEZ E VOZ

Emanuele Borba, mais conhecida como Manuca Borba, tem 12 anos e a locutora mais jovem da rdio Seu Hemetrio. No programa Universo Infantil, transmitido aos sbados, a garota fala, numa linguagem simples e despojada, tudo o que as crianas precisam saber sobre seus direitos e deveres, meio ambiente e educao.

Revista Criana Cidad: Qual a parte que voc mais gosta no programa?
Manuca Borba: Eu gosto mais da hora da mensagem, pois ela leva, para quem est do outro lado do rdio, assuntos de fcil compreenso, que crianas ou adultos podem entender e discutir.

RCC: Que momento mais complicado para o entendimento das crianas no Universo Infantil?
Manuca Borba: O quadro Direitos e Deveres, porque muitas crianas lembram que tm direitos e esquecem que tambm tm deveres. Eu acho que mais difcil para as crianas entenderem, porque criana, como eu, s quer vida boa. Mas esse um problema que estamos conseguindo levar.

RCC: O que o programa est trazendo como forma de aprendizado na sua vida?
Manuca Borba: Para falar a verdade, eu no ligava muito para essa histria de direitos e deveres. Mas eu vejo que, agora, estou absorvendo mais esses assuntos e comeando a entender. Est sendo muito legal trabalhar com todo pessoal do Ncleo, sem falar que uma grande experincia para o meu currculo.

RCC: Como voc concilia a escola e a rdio?
Manuca Borba: Minha vida est muito corrida. Tenho escola pela manh; o meu programa s acontece aos sbados. At que d para conciliar, no difcil no.

RCC: Geralmente, como voc finaliza seus programas?
Manuca Borba: Eu sempre agradeo as pessoas que me escutaram, agradeo a Papai do cu por mais um programa e lembro que, na prxima semana, tem mais msica e diverso para todo mundo.

RCC: Manuca, voc pode deixar um recado para as crianas que tambm tm vontade de, um dia, apresentar um programa no rdio ou na televiso?
Manuca Borba: Quem tiver a oportunidade no deve ter medo. Se errar, relaxa, faz de novo, finge que voc est brincando. s um passatempo que vai te fazer muito feliz. Quem sabe voc no vira um grande radialista?

PRXIMOS CONCERTOS

19/08/2017

Concerto comemorativo de 11 anos da Orquestra Criana Cidad

Clique aqui e baixe a Cartilha Lei Rouanet

outras matrias desta edio



Apoio

Patrocnio

Patrocnio Master

Realizao

Acompanhe-nos nas Redes Sociais

/criancacidada

Contato

Contato para Eventos

Gabryella Boudoux

Fones: 81 3428.7600/81 9 9403.7296

E-mail: eventosocc@gmail.com

Assessoria de Imprensa

Carlos Eduardo Amaral

Fones: 81 3428.7600 | 81 9 8831-9700

E-mail: audicoes@gmail.com

Onde h msica no pode haver maldade
Miguel de Cervantes

Zaite Tecnologia, Empresa desenvolvedora do site.