POR

/

ENG

Revistas

FRANZ SCHUBERT - O gnio bomio

Os problemas pessoais e familiares do compositor no impediram que um grande talento se revelasse

Nascido em Liechtental, subrbio vienense, em 1797, Franz Seraph Peter Schubert foi um dos maiores representantes da msica clssica do sculo XIX. Durante uma infncia pacata, aprendeu a tocar violino e piano dentro de casa com o pai e o irmo e, aos oito anos, foi encaminhado a Michael Holzer, organista da parquia de Liechtental para desenvolver os estudos de msica. Era incio do sculo XIX, e j surgia a grande paixo e o destino de Schubert: a msica.

A voz de soprano lhe garantiu uma bolsa de estudos em Stadtkonvikt, um dos melhores colgios de Viena, espcie de conservatrio e escola em regime de internato, onde estudou at os 16 anos. Saindo do conservatrio, foi lecionar na escola onde o pai era professor. Naquela poca, j havia comeado a compor as primeiras obras, como o lied Hagars Klage e a Primeira Sinfonia em R Maior.

Aos 18, sua dedicao quase exclusiva msica contrariou o pai, que planejava um futuro de funcionrio pblico ou professor para o jovem artista. A msica no deveria ser mais do que um passatempo. Schubert, ento, saiu de casa, deixou o emprego e foi morar com alguns amigos bomios, que admiravam a habilidade do compositor. Passou a dedicar as manhs elaborao das msicas e as tardes e as noites aos encontros com os amigos. Ele bebia muito, mas ningum o via embriagado. Por esse tempo, j tinha escrito cerca de 200 msicas.

Schubert foi apresentado ao conde Johann-Karl Esterhazy, que o convidou para ser professor de suas duas filhas, Marie e Caroline, no seu castelo. E assim foi por dois anos, quando o autor cansou da vida no campo e voltou para Viena. Iria viver, a partir de ento, de sua habilidade artstica, o que no lhe renderia grandes lucros financeiros, at porque no sabia administrar o que ganhava ou lidar com os negcios.

O musicista parecia levar duas vidas distintas; uma terrena e pobre, mas alegre, e outra divina ou sobreterrena, rica, mas melanclica, de onde brotaram em abundncia as melodias da alma. Havia, entre seus amigos artistas, como o pintor Moritz Von Schwind, funcionrios sem importncia que escreviam poemas, cantores ou simples burgueses; mas todos eram unidos por um extraordinrio entusiasmo pela msica e pelo afeto a Schubert com o instinto dos amantes da msica, pressentiram seu gnio.

OBRA

Schubert escrevia de tudo: sinfonias, sonatas, peas para pianos e peras, mas se tornou um mestre do lied, a cano lrica, gnero de origem alem que se inspira na literatura. Muitas das composies dele so releituras musicadas de textos de Goethe, Schiller, Richerter, Novalis, Keist, Holderlin, Mayhofer, Shakespeare e Heinrich Heine, entre outros. Com isso, atravs de sua habilidade, Schubert transformava simples textos na expresso musical de seus prprios sentimentos, e o resultado geralmente agradava a todos.

Eu destacaria a total reformulao da forma das canes (lieder), a inventividade meldica incomum e o equilbrio na msica escrita por Schubert como seus destaques. A facilidade ao escrever msica e a capacidade de escrever bem tanto msica vocal quanto instrumental so outros pontos fortes. Como muitos, Schubert no teve reconhecimento em sua poca, mas a sua obra volumosa e diversificada ofereceu material para diversos intrpretes, comenta Srgio Barza, professor do Conservatrio Pernambucano de Msica h 13 anos e regente da Orquestra Sinfnica Jovem do Conservatrio.

Entre os 14 e os 31 anos, Schubert comps cerca de 600 lieder, nem todos auxiliados de poesias de grandes artistas. H muitos nomes lembrados hoje apenas por estarem ligados msica dele. Para Aline Lima, maestrina-assistente da Orquestra Criana Cidad e mestre em Musicologia pela Campbellsville University (EUA), muito do que restou de sua fama se deve ao tratamento dado ao lied alemo, trazendo este para a condio de cano artstica e, assim, fazendo da cano de arte um dos primeiros veculos dos compositores do Romantismo alemo. As texturas inovadoras de Schubert e sua sntese do texto e da msica determinaram uma nova fase do lied europeu para o resto do sculo XIX.

Segundo relatos da poca, Schubert escrevia como que em transe, em qualquer lugar, a qualquer hora. Mesmo durante a noite: dormia de culos para anotar mais rpido as ideias que tivesse. Apesar de escrever belas canes, nunca se destacou escrevendo peras. A mais popular foi apresentada 12 vezes. As sinfonias, ento, no chegaram sequer a serem apresentadas durante sua vida. O prprio manuscrito de Inacabada foi encontrado, por acaso, 43 anos depois de sua composio. Schubert pouco se importava com o que escrevia. Frequentemente esquecia manuscritos em bancos de jardim, casas de amigos, tavernas ou em qualquer lugar que estivesse.

O compositor, durante toda a vida, jamais desfrutou de fama. Mesmo nos dias atuais, ele no to conhecido popularmente como Beethoven. No obstante, sua contribuio msica quase to importante quanto de Mozart e Beethoven. Alis, pode-se considerar a msica de Schubert como uma perfeita transio, uma ponte, entre os dois compositores. Era herdeiro do classicismo de Mozart, mas tinha j o esprito de renovao do Romantismo.

No dia 19 de novembro de 1828, Schubert morreu de tifo, com apenas 31 anos. Seu corpo foi enterrado no cemitrio de Whring e, em 1888, foi trasladado ao cemitrio central de Viena.

PRXIMOS CONCERTOS

23/10/2017

Abertura da Semana Nacional de Cincia e Tecnologia

29/10/2017

Encerramento do 1 Festival do Livro do Ipojuca

Clique aqui e baixe a Cartilha Lei Rouanet

outras matrias desta edio



Apoio

Patrocnio

Patrocnio Master

  • Ipojuca

  • Coque

Realizao

Acompanhe-nos nas Redes Sociais

Contato

Contato para Eventos

Gabryella Boudoux

Fones: 81 3428.7600/81 9 9403.7296

E-mail: eventosocc@gmail.com

Assessoria de Imprensa

Carlos Eduardo Amaral

Fones: 81 3428.7600 | 81 9 8831-9700

E-mail: audicoes@gmail.com

Newsletter

Gesto

Onde h msica no pode haver maldade
Miguel de Cervantes

Zaite Tecnologia, Empresa desenvolvedora do site.