POR

/

ENG

Revistas

Solidariedade - Fundao Terra: 30 Anos em Defesa da Vida

A Fundao Terra nasceu em torno do po e a partir dos pobres. Digo melhor, do Po, aquele que d vida e confere sentido sequncia de dias de todo aquele que vem a esse mundo; nasceu dos pobres, os preferidos de Deus.


Relato, em linguagem costumeira dos tempos de sua fundao, o que foi aquela experincia inaugural, marcada pelo encontro com os pobres da periferia de Arcoverde.


Era uma manh de domingo. Eis o que aconteceu:


Aparteado desse querer revolto me fiz um dia. Qual? O de me ver, sem tardana, nesse infestado de ideao desassestada. Eu no me formava pessoa para enfrentar chefia. Mas, ser vigrio-padre, o que era? Queria ter jeito do servial com outros. O senhor me deponha. Careci dois anos, padre novo que era. Vontade de uns e me chamaram. Fui tambm. Rua do Lixo, que lonjura aquela! Credo em cruz, o senhor sabe. Como ser vivente comer o descomer largado ali, uns restos? Palavra! Era preciso desproduzir qualquer pensamento de querer voltar ali. Voltasse para de onde eu vinha, me desacostumando ficava. Voltasse para aquele lixo... Ou no centro ficasse... Mas, tinha obrigao de dever conciso, em coisas de costume, rezar as missas, os batizados e todo sortimento que no descumpria em praxe nenhuma. De novo fui. Dei de perguntar. Parte quebrava pedras; outros, no ofcio dos mesmos, era catar. Misturao desusada era aquela, gente e bichos muitos em pouca poro de terreno. Estranheza de que me desacostumo. Deponho que no sei. Mas, proseado com a povana que encontrei por l, isso de larga querena era. Queria mais tardana de vez de ficar ali. Cheguei a chegar na barra do dia at que a noite breasse prpria.


Ficava assim: vou ou fi co? Vontade muita era s vontade de desigualar. Desse jeito fui me entardecendo nesse caldeiro de sentimentos e aceitei cumprir o que Deus aprovasse e desse de chegar.


Estante eu no decisrio de acautelar-me de fabricar rumor, celebrei missa, a primeira, tudo no presumido conforme. Comunho, distribuio do po sagrado. Eita que aperreao! Eu quero bolacha por amor de Deus, eu quero bolacha. Criana suplicante, dava de chorar, aparteando o fraseado, que era de desolao. Queria eu marejar os olhos com o turvo do que me subia em pensamento. Qualquer coisa entre o po sagrado existe com a fome dessa gente. Sinal para mim no bastante. No tirante das ideias, lavorei em firmes, pelo mais pensvel. Voltear como, contra esse avolumado querer? Missa terminada.


Eu, tonto. Onde ter tanto sortimento de sentimentos! Queria desconversar daquele saber, dar ordem de outra coisa. Eu me inteirei. Eu estava, partindo dali, com essa razo na cabea. Se tanto, perguntei de me aceitarem. Risadas. No acreditaram. De novo, repontei. Mostrei no meu falar e fiquei no meu normal.


Custoso de desapreciado para todos era morar no lixo com um padre. Desacreditavam. Coisa que no figurava transcrita. Interesse, tinha ele, qual?


Avalie o senhor mesmo: se pensar mal produz invocar receio (acompanha?), e se no rastro que faz o dio d-se o sem rumo e sem porteira, ento, o resto s ver a verdade verdadeira. Por caminhos outros o amor de veras chega. Chegou, como da vez primeira.


Quase tinha perdido toda minha fiana em querer ali fazer morada. Por querncia do Divino Pai Celeste, o incerto para longe de mim se afastava e j se encontrava de mim no certo avolumado de que eu precisava. Negcio bulioso, aquele.


Contei a homem de veras bispo, Manuel Palmeira. No se desvaneceu ele na valncia desse querer meu, abenoou-me. Recomendou-me no que me procedeu por aviamento seu: Nos pobres Deus est. Se no for pra continuar, no v. Mo estimada, a sua, ajoelhado, beijei.


No o despostei.
Fiquei.
Amor de sua companhia tinha.
Me reencontrei.


Anos se passaram, quase trs dcadas. A Fundao Terra continua a servio dos mais pobres dentre os pobres. Eis o mais recente sonho tornado realizado:

Fiquei sonhejando, enquanto deixei escapulir ideia que eu farejava nos pressentidos. Aconteceu de ter eu pensamento em estabelecer um canto durvel para as curas de qualquer incmodo ou durvel de sofrimento de quantos para o bem ali se houvesse. Foi isso. Muitos e muitos de tantos, por todos os lugares, passando e repassando nas visitas que fazia, mostraram padecimentos muitos. Cada qual com seus motes, no querendo explicar histria de ser de tudo aquilo. Uns tantos em condio precria eu vi na visitao daqueles desacompanhados todos. Semana Santa, pois foi, sim senhor, quando isso se deu.

O servio de cumprir tarefa minha mal tinha se findado, eu c com a ideao de fornecer comeo de ter por onde firmar as coisas. Um Centro de Reabilitao. Foi se tomando forma de jeito o que e pra qu. No era certo que sujeito se desaprumasse numa desjuno de ossos e ficasse merc dos outros o enquanto de resto de vivente se tivesse. Eu c, ainda, no dizente comigo. No era de gosto de ningum que o engrosso de sangue endereasse entupimento para as veias da cabea e do corao e tivesse de ficar o cabra em regime de invalidez. Tinha de ter jeito. Carecia um local, aquele de certo, para pr as coisas no seu devido de ser. Mens Sana, esse nome teria. Ficou assim, feito fosse. Entendimento que eu tinha era o tornar aquilo num de vez permanente. Tinha gastura de esperar e cacei diligncia de ver por onde se fazer para pensvel uso de muitos.

No tinha nascido no ontem. Cedo tomei experincia de homem feito. Ser forte no valor da lealdade trao que muito prezo. No prometido que fiz a Deus, natureza versvel tive de ver que aquela situao, no tocante a gente que gente, no estava no definitivo. Sei que o pensamento da gente escolhe at modo diverso do que se pode ou se quer. Todavia, razo de mais distncias para aquele desconforme eu no queria. Mas, como aquilo iria ser? Desse curto nadinha de dvida foi que minou mais meu querer.

Assim foi que ideao principiou querncia em mim. Nasceu o que haver de ser.

PRXIMOS CONCERTOS

11/07/2017

Orquestra Criana Cidad dos Meninos do Ipojuca na Caixa Cultural Recife

19/07/2017

Orquestra Infantojuvenil Criana Cidad na Caixa Cultural Recife

Clique aqui e baixe a Cartilha Lei Rouanet

outras matrias desta edio



Apoio

Patrocnio

Patrocnio Master

Realizao

Acompanhe-nos nas Redes Sociais

/criancacidada

Contato

Contato para Eventos

Gabryella Boudoux

Fones: 81 3428.7600/81 9 9403.7296

E-mail: eventosocc@gmail.com

Assessoria de Imprensa

Carlos Eduardo Amaral

Fones: 81 3428.7600 | 81 9 8831-9700

E-mail: audicoes@gmail.com

Onde h msica no pode haver maldade
Miguel de Cervantes

Zaite Tecnologia, Empresa desenvolvedora do site.